Por Que Nós Interrompemos Os Outros?

Por Que Nós Interrompemos Os Outros?

Por Que Nós Interrompemos Os Outros? 1

No dia de ontem, reuniram-se os líderes do PP e Local para a assinatura de um acordo de frente pra próxima investidura. Para detectar as emoções reais, precisamos deslocar-se mais além da imagem, um instantâneo que, é claro, ambos aparecem com um sorriso social, pousada, como iríamos todos para irradiar positivismo de cara para a galeria. Analisando a seqüência completa podemos apreciar detalhes diferentes espontâneos que apontam estados emocionais mais autênticos.

Albert Rivera estava como uma moça com sapatos novos, não parava de mover-se impaciente, sem paciência, angustiado para finalizar o acordo. A disposição de Mariano Rajoy vem sendo propriamente a contrária, sério, desganado, muito neutro e insuficiente comprometido em teu discurso. Usava constantemente os pronomes indefinidos, distanciando-se sendo assim de sua participação direta no projeto (“não há dúvida que você tem funcionado bem”, “que foi feito com intensidade”). Também, tua sentença facial não era coerente com o apresentado, afirmou estar “muito contente” com um rosto absolutamente inexpresivo, muito mais sério e sutilmente zangado.

Sua linguagem corporal, assim como a intensidade vocal eram totalmente plana e sem emoção. Parece que estamos diante de duas atitudes muito opostas face a um mesmo intuito comum; o desejo e a ilusão de frente para a necessidade e a resignação.

Nota: Não me esqueço de a prometida segunda parcela do meu último artigo: Por que nós interrompemos os outros? Hoje manda, contudo amanhã, continuaremos com as possíveis soluções pra impedir estes cortes ao nosso interlocutor e trabalhar mais e melhor a escuta ativa. Obrigado a tod@s pelo vosso interesse.

  • Estilo oriental, que se poderá localizar também na Índia ou no Paquistão
  • quatro Secretário-Geral da Federação Socialista Asturiana
  • 1270-1284 : Margueritte Dubois
  • dois Projetos irmãos
  • quatro Ano 2010
  • 2 Gestha acredita que evade impostos 43% dos autônomos de Aragão

Ela corre escada abaixo e o beijando freneticamente. De volta à sala, tem roupa de ciclista em cima da cama, como aqueles da imagem do organismo. Ao se virar, vê o mesmo homem investigando as formigas que surgem de um buraco negro de tua mão.

Um novo rótulo aponta “Para as 3 da madrugada”. Um homem com nenhum movimento autoritário, determinou ao homem de roupas extravagantes que as jogá-los na janela. O mesmo Buñuel salientava a importancia que para ele tinham os sonhos, as visões e delírios em sua vida cotidiana, o grupo surrealista de Paris e, desta forma, em seu cinema. Por intervenção das teorias de Sigmund Freud, o surrealismo admitia as imagens e idéias oníricas dentro de seus postulados. Toda a fita podes ser determinada como uma sucessão de sonhos acorrentados.