Edição Do Domingo, Dia Vinte E Quatro De Maio De 1970, Página Onze

Edição Do Domingo, Dia Vinte E Quatro De Maio De 1970, Página Onze

Edição Do Domingo, Dia Vinte E Quatro De Maio De 1970, Página Onze 1

DOMINGO, 24 MAIO OE 1970, A VANGUARDA ESPANHOLA Página 11 O HOMEM E Sua MEDIOU A JTL atual movimento de “retorno à terra” é distinto de todos os precedentes por tua com – tido e r.’ou só pelo seu alcance. Em pureza, não se trata em tal grau de que os homens voltem para a Natureza, como que ia Natureza “retorne” para os homens. É uma pergunta de equilíbrio, ou, para dizer – o com a difundida jargão de hoje, uma “charada ecológica”. A manoseada palavra “ecologia” não é Invenção recente, durante quase um século, tosse cientistas têm considerado a ecologia como a divisão da ciência que estuda a distribuição dos animais e tua relação com o meio.

” e os nostálgicos arranques o é – ECO-tilo de Ooleridge: “E por aqui houve florestas, tão antigos como as colinas, cobrindo sol, paisagens de verde”. Mas nunca, como sem demora, havia insistido pela promessa e a iminência de ecocatástrofe.

Ou quando falava delas, previam soluções. Já Maithus havia sugerido uma solução tão líquida como brutal ao dificuldade da crescente discrepância entre a quantidade de população e os recursos naturais acessíveis: fome niveladora. Com os avanços científicos e técnicos surgiram propostas menos desalmados. Uma vez que o Mal – thus rw teve em conta a circunstância de tais avanços, não pensou que poderiam ser evitados, por meios racionais, os cataclismos eco – lógicos.

Pelo visto, não havia por que se alarmar – se tal. Hoje, em contrapartida, o alarme é geral. As ecocatásii’ofes estão pela boca de todos, por – que os avanços técnicos, distante de estabelecer um bem absoluto, são capazes de se tornar um mal incorrigível. Longe de resolver a dificuldade, podem complicar isto e exasperarlo. Quando algo faz furor, corre o risco de se tornar uma moda (ou há ira justa e pontualmente porque é uma moda).

  • Uma gala de cor português… sem Rossi
  • Cidade Universitária: Av
  • Estudo pré-universitário completo: 14 048
  • 1 Consolidação da aristocracia

“efeito de invernácu – o”, com o acrescentamento gera! Nem todas as atitudes e propostas eco – lógicas são especificamente políticas, porém em todas se pressupõem juízos de valor que cabe expressar politicamente. Em todo caso, as “atitudes verdes” é transparente, como veremos muito em breve, fundamentais atitudes humanas. — os indivíduos da espécie humana, hoje, contam com uma superior resistência, não apenas a morte, todavia para a mesma e claro velhice, se comparados com os seus antepassados. O módulo de “em cima” de outros tempos, é, na atualidade, uma “maturidade” eufórica, quase irrepreensível, saudável.

A Medicina e seus sacerdotes fazem todos os esforços para que nossos corpos “resistam”. Já se entende a dificuldade, na realidade. Sarda i Dexeus, economista de profissão, aludia ao que acontece nos tinglados administrativos: uma extraordinária “lentidão” no revezamento das pessoas que assinam, e rubrican com poderes eficazes.

Estes senhores são. “sangue ñtíeva”¡ fica bastante parada, em teu impulso “natural”, ao tentar acessar os circuitos normais do negócio ou da burocracia. Os velhos governam, e governam já que seguem em condições de comandar. A “penicilina” joga a teu favor. E isso se coloca a todos os níveis da vida coletiva: públicos e priva – dos, de acadêmicos e de trabalhadores, de chupatintas e de des – tripaterrones. Uma acumulação de idosos “ágeis”, ainda úteis para o serviço esperto, tem de ser um terrível estorvo pra energia dos jovens.

Talvez seja esse caçoado de – cintura um dos ingredientes mais explosivos da rebeldia juvenil, de que tanto falam os jornais. Os “lugares ao sol” continuam ocupados, e os pirralhos são impacientes. A pílula é dora com doutrinas e reclamações; porém, no fundo, trata-se de um defeito de “espaço vital”. La’longevidade sistemática, se ‘está se transformando em uma concepção angustiante: a cada dia há mais velho, e cada dia existem muitos mais •’ • • Quando o doutor Sarda sintetizava, em exata caricatura, as irrebatibles privilégios da penicilina, e suas repercussões ge – rontocráticas, eu pensei já em uma leetur’à recente. Com – fesar, por minha cota, gue era “recente”- eu teria deixado no lugar mal-me, e eu me calei.

eu Sei tratava do prefácio que o morto dom Lorenzo Riber, sacerdote, escreveu a sua tradução – castelhana . Luis Vives. Por razões de esse mesmo paisanaje, e por solidariedade “semítica” —se um Vi – vê cataláunico é “judeu”, o que, eu era grato a me interessar muito e brevemente o filósofo catalão do século XVI. Por novas razões, aleatórias, não fiz com esse dever, até há alguns meses. O caso é que me lembrei de uma análise do reverendo Riber. Uma observação, ao fim e ao cábS, banal.